Presidente do PR PR nos estados Manchetes Download Hino Nacional do Brasil
História do PR Fale com o PR Notícias Republicanas Manual de Aplicação da Marca PR
Prefeituras do PR Ficha de Filiação ao PR Fotos dos Deputados do PR Assessoria Jurídica
Vereadores do PR Fórum Republicano Fotos dos Senadores do PR Vinheta do PR
Estatuto do Partido da República Manifesto do Partido da República Código de Ética do Partido da República Programa do Partido da República
 

Notícias do Correio 22 - Partido da República

O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player


Clique no ícone do Media Player para assistir ou fazer download do vídeo em wmv
 

Clique no ícone acima para conhecer a Biblioteca de Vídeos do PR no You Tube
 

Clique no ícone acima para fazer download do vídeo em MP4 e enviar pelo whatsapp
 

Clique no ícone acima para assistir ou fazer download do vídeo em Quick Time (plataformas da apple)
 
23/05/2019 — Para assistir o vídeo do lado esquerdo da tela, você precisa instalar o Flash player
 
 
Senador Wellington Fagundes (PR-MT)
Senador Wellington Fagundes (PL-MT)
Brasília - A ampliação de oferta de energia foi defendida na última terça-feira, 21, pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), como instrumento adicional para reduzir a conta de luz paga pelo consumidor.

Ele participou da audiência na Comissão de Infraestrutura do Senado, com a presença do diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone da Nóbrega, e defendeu a mudança na legislação para evitar o que chamou de ‘reserva de mercado’ da energia.

Fagundes anunciou estudos para mudar o regime de exploração energética no Brasil. Atualmente, é feita em três graus: Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGH), com até 1 megawatt de potência instalada; Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH), entre 1,1 e 30 megawatts; e Usina Hidrelétrica de Energia (UHE), com mais de 30 megas. Para cada uma, existe um tipo de burocracia.

“Precisamos mudar isso. Muitas vezes, o empreendedor deixa de explorar ao máximo a capacidade instalada daquela usina para não ter que incorrer em burocracias”, frisou. Para as PCHs, por exemplo, é necessário apenas autorização, ao passo que, para a capacidade acima de 30, deve haver licitação para concessão.

Além disso, Fagundes ressaltou que a legislação precisa de ajuste, já que no mercado também existem empresas que recebem inúmeras concessões e não constroem as usinas hidrelétricas. “Isso, ao meu ver, é uma reserva de mercado. Alguém vai lá, banca a pesquisa, fica com a autorização e não constrói, evitando que outros o façam” , salientou o senador.

André Pepitone explicou que o custo de energia no Centro-Oeste é mais elevado, tendo em vista o desafio de distribuir energia nesses locais, que concentram regiões de grande porte e exigem rede de transmissão extensa para atender um consumo per capita reduzido, o que contribui para potencializar o aumento tarifário.

Ele afirmou que a desoneração da tarifa de energia elétrica exige a redução do custo de geração, corte nos subsídios e revisão dos tributos, que hoje respondem por 35% no preço da conta de luz.

O diretor-presidente da Aneel conclamou o Congresso Nacional a atuar no sentido de conter a escalada dos subsídios que acabam encarecendo a conta de luz, ao explicar que entre os itens que pesam na tarifa encontra-se o desconto dado ao consumidor rural e irrigação, de R$ 3 bilhões ao ano.

Nóbrega defendeu alterações nas normas em vigor, mas afirmou que a Aneel não tem a pretensão de exercer a política tributária, de competência da União.

Segurança das Barragens

Membro da CPI de Brumadinho, o senador Wellington Fagundes insistiu, durante audiência, em discutir a questão da segurança das barragens. Ele cobrou informações sobre as bases usadas por Furnas para garantir a segurança em Manso, e questionou a existência de auditoria externa que comprove essa afirmação da empresa.

Fagundes também ressaltou a necessidade de um calendário de barragens, alvo de vistorias pela ANEEL em Mato Grosso, a ser cumprido durante este ano. Também alertou para as eventuais providências a serem tomadas em relação às que não serão vistoriadas diretamente pela ANEEL.

“A agência não é responsável por fazer segurança da barragem, mas é órgão de regulação. Cobramos da empresa que realize plano de acordo com lei, com responsável técnico. A Aneel então vai abordar se o plano atende à legislação. A segurança da barragem é inerente ao setor ao qual ela se enquadra, elétrico, mineral ou nuclear”, explicou o dirigente.



Fonte: *Com informações da assessoria de imprensa do senador


© - 2007 www.partidodarepublica.org.br - Todos os direitos reservados

SEDE NACIONAL DO PARTIDO DA REPÚBLICA

ENDEREÇO:

SHS quadra 6 Bloco A sala 903 - Brasil XXI . CEP: 70.316-102 - Asa Sul . Brasília-DF




Tel.: - (61) 32029922



Mais uma realização do Instituto Alvaro Valle Tel.: - (61) 32029922


LEAD         TVNEWSWEB

Site Desenvolvido pela LEAD - Produções Artísticas Comunicação & Marketing

SHIN CA 09 LT 16 SALA 115 - ED. GREEN HILLS - LAGO NORTE CEP: 71503-509

http://www.leadbrasilia.com.br/

http://www.tvnewsweb.com.br/